Sustentabilidade é a palavra do momento. E é tão importante que vem sendo aplicada até mesmo quando o assunto é morar bem. Muitos empreendimentos imobiliários têm buscado, cada vez mais, associar qualidade de vida e preservação da natureza aplicando práticas sustentáveis no dia a dia de seus moradores. É aí que surge a ideia do condomínio sustentável.

Mas você sabe o que é isso? Será que onde você mora esse conceito é difundido? Leia este post e conheça 6 fatores que caracterizam essa nova forma de morar!

Afinal, o que é sustentabilidade?

Mesmo sendo bastante falada por aí, algumas pessoas não sabem o que essa palavra significa. Mas, até mesmo para que se possa colocá-la em prática é preciso entender o seu significado e as suas aplicações antes.

O termo sustentabilidade está relacionado à capacidade de conservar um processo ou um sistema. Muito ligada ao meio ambiente, essa palavra diz respeito ao uso de recursos naturais de forma consciente, preservando o ecossistema.

A importância desse conceito está, exatamente, no consumo responsável para que se possa continuar consumindo. A ideia é conciliar as nossas necessidades diárias com o que a natureza pode nos oferecer, sem abrir mão do conforto.

Como promover um condomínio sustentável?

Como você viu, a sustentabilidade tem papel fundamental na preservação do nosso planeta. Então, por que não começar fazendo a sua parte no seu dia a dia?

Você pode aplicar essa ideia ao decidir onde morar escolhendo um condomínio que adote medidas para minimizar os seus impactos no meio ambiente. É fácil, basta ver se ele apresenta algum destes 6 fatores.

1. Reaproveitamento da água da chuva

A água tem se tornado um recurso cada vez mais escasso. Apesar disso, algumas tarefas diárias em um condomínio exigem o uso constante desse recurso, como a irrigação do jardim e a limpeza das áreas de uso comum.

Nesses casos, o reaproveitamento é uma solução bastante útil, permitindo evitar o desperdício até mesmo onde a água é fundamental. Por isso, prefira morar em um local onde haja cisternas para recolhimento e armazenamento da água da chuva acumulada nas calhas do telhado. Assim, ela poderá ser usada posteriormente.

Isso significa economizar a água que seria fornecida pela companhia de saneamento da sua cidade, implicando em menos custos.

A economia financeira também está no fato de que é necessário investir apenas nos equipamentos para captação. Assim, o uso dessa água não gerará gastos adicionais, representando um ótimo custo-benefício para os moradores das unidades residenciais.

2. Fechamento automático de torneiras nas áreas comuns

Sabe aquelas situações em que alguém esquece uma torneira aberta ou um defeito faz com que ela fique gotejando? Pois é, elas são bastante prejudiciais quando se pensa em desperdício de água. E acontecem com maior frequência em locais com grande fluxo de pessoas.

O sistema de fechamento automático em torneiras de áreas comuns do condomínio é uma boa maneira de evitar isso. Dessa forma, é possível reduzir o tempo de vazão de água e impedir que aquelas gotinhas valiosas corram ralo abaixo.

3. Captação de energia solar

O consumo de energia elétrica em excesso também é prejudicial para o meio ambiente. Afinal, recursos naturais são empregados para que ela seja produzida. Porém existem alternativas para isso.

Esse é o caso da energia solar. Prefira morar em um condomínio que adote mecanismos para captar a luz do sol e transformá-la em energia para as residências e áreas comuns. Além de ser uma medida ecológica, é econômica já que reduz o gasto com contas de luz.

4. Utilização de lâmpadas econômicas (LED)

Para ter um condomínio sustentável, também é importante se preocupar com as fontes de iluminação utilizadas nas áreas comuns e nas unidades residenciais. Nesse sentido, o modelo de lâmpadas empregadas pode fazer a diferença no consumo de energia.

Por esse motivo, prefira as lâmpadas de LED em vez das incandescentes ou fluorescentes. Estas últimas perdem até 90% da eletricidade absorvida em forma de calor de modo que somente 10% são transformados em luz.

No caso do LED, o diodo é capaz de promover uma boa iluminação consumindo pouca energia. Lembre-se que sustentabilidade significa consumo responsável dos recursos e isso também pode representar menos gastos com as contas de luz, não é ótimo?

5. Implementação de uma arquitetura bioclimática

Além de pensar no meio ambiente, ser sustentável é se preocupar, também, com o bem-estar. Nos condomínios, esse conceito pode ser empregado por meio de uma arquitetura bioclimática.

Isso significa que o loteamento e a projeção dos ambientes são feitos de acordo com aspectos climáticos. Assim, esse conceito envolve a análise da incidência de raios solares, a frequência dos ventos e a umidade relativa do ar do local antes da construção.

Dessa maneira, conciliam-se todos esses aspectos bioclimáticos ao estilo de vida dos futuros moradores daquele lugar. A ideia é garantir conforto e maior usabilidade dos espaços sem prejudicar o meio ambiente, unindo o útil ao agradável.

6. Preocupação com o paisagismo

Quando se pensa em qualidade de vida associada à sustentabilidade, o paisagismo ganha importância. Afinal, embora estejam no meio urbano, o que muitas pessoas querem é se sentir em meio à natureza.

E, em busca disso, um ótimo parâmetro para escolher onde morar é procurar por condomínios que explorem o verde na composição dos seus ambientes. Portanto, prefira os empreendimentos que preservem as plantas nativas do bioma local e que as utilizem para a decoração.

Dessa maneira, pode-se promover o equilíbrio ecológico nos ambientes residenciais ajudando a preservação do ecossistema. Ainda, proporciona-se aos moradores a sensação de aconchego por viver em contato constante com o meio ambiente.

Agora que você já sabe o que é sustentabilidade e por que ela é importante, por que não trazer esse conceito para a sua rotina? Assim você contribui para a preservação do meio ambiente sem abrir mão do seu bem-estar e o de toda a sua família.

Então, comece a fazer isso escolhendo um condomínio sustentável para morar. Analise, dentre as opções disponíveis, quais adotam as práticas listadas aqui e tenha a certeza de tomar a decisão correta!

Gostou dessas informações e quer receber muitas outras diretamente na sua caixa de entrada? Assine a nossa newsletter agora mesmo!